SEM REMORSO (2021)

Não sou nenhum especialista na obra de Tom Clancy e o único livro dele que tenho é o CAÇADA AO OUTUBRO VERMELHO. Mas sempre tive interesse nas adaptação de sua obra para o cinema e pelo protagonista, Jack Ryan – vivido por figuras como Alec Baldwin, Harrison Ford, Ben Affleck e vários outros em diversos filmes… SEM REMORSO (Without Remorse), de Stefano Sollima, não tem o Ryan, mas é a mais nova aventura do “universo Tom Clancy” a chegar às telas… No caso, nas telinhas. Originalmente programado para chegar aos cinemas no ano passado, o filme teve sua data de lançamento adiada várias vezes por conta da atual situação mundial até que a Paramount entregasse a coisa para o streaming da Amazon.

Baseado num best-seller de mesmo nome que Tom Clancy lançou em 93, SEM REMORSO serve como origem para o personagem John Clark (Michael B. Jordan), um integrante das operações especiais da CIA que foi interpretado por Willem Dafoe em PERIGO REAL E IMEDIATO (94) e por Liev Schreiber em A SOMA DE TODOS OS MEDOS (02). A trama é chichezenta, um thriller de vingança com Clark e vários SEALs se tornando alvos de assassinos russos como retaliação por uma missão anterior em Aleppo. A esposa grávida de Clark acaba se tornando vítima, o que faz do sujeito, dedicado militar, que é uma verdadeira máquina de matar, ficar obcecado por vingança, sem nada a perder.

Já vimos esse tipo de coisa mil vezes, mas nas mãos de alguns realizadores badasses da atualidade – sobretudo o roteirista Taylor Sheridan (do filmaço A QUALQUER CUSTO) e o diretor Stefano Sollima (de SICARIO 2: DIA DO SOLDADO, e que é filho do grande diretor italiano Sergio Sollima) – SEM REMORSO acaba compensado pelas várias e intensas sequências de tensão e ação – a queda do avião, por exemplo, é um primor e todo o impasse que ocorre num determinado prédio com uns snipers no terceiro ato demonstra que Sollima herdou o talento do pai pra esse tipo de coisa: direção sem firulas, com uma secura admirável, sem arestas… É quase uma ação old school. Na tela, somente o que precisa estar, e basta.

Michael B. Jordan tem muita presença como herói de ação. No bom elenco ainda temos Jamie Bell, Guy Pearce e uma belezinha chamada Jodie Turner-Smith.

No geral, SEM REMORSO pode não ser nenhuma maravilha, mas é eficiente como thriller de ação, diverte e prende a atenção com facilidade. E se isso aqui for o início de algum Tom Clancy Extended Cinematic Universe podem sempre contar com a minha audiência.

[CAGESPLOITATION] O PACTO (2011)

MV5BOTc1NDI1ODIyM15BMl5BanBnXkFtZTcwNzAzMjYwNw@@._V1_SX1500_CR0,0,1500,999_AL_

Eu adoro como o Nicolas Cage se entrega de uma maneira tão especial nos papéis que faz, mesmo em filmes péssimos. Concordo com essa ideia de que ele acabou meio que criando um gênero de si mesmo. Quero dizer, um filme de suspense, ação, terror, pode ser bom ou ruim, mas se tem o Nic Cage como protagonista, automaticamente o filme fica bom e o gênero não importa mais, porque estamos diante de um Cagesploitation!

Um bom exemplar do que andei assistindo da fase “atual” do Cage foi este O PACTO, que é um thriller bem bobinho, mas que faz uma baita diferença por tê-lo como protagonista. Cage é Will Gerard, professor de inglês de uma escola secundária de New Orleans, cuja esposa Laura (January Jones), numa noite qualquer, é brutalmente estuprada. No hospital, Will é abordado pelo misterioso Simon (Guy Pearce) que afirma saber quem é o estuprador e vai “cuidar dele” para Will. Só que agora ele ficará devendo um favor quando for solicitado. Naquela mesma noite, o estuprador é morto.

MV5BMTcxMDg0MjIzMl5BMl5BanBnXkFtZTcwNDEzMjYwNw@@._V1_SX1500_CR0,0,1500,999_AL_

Seis meses depois, Simon contata Will e o instrui a matar um pedófilo que anda à solta pela cidade. Quando Will se recusa a retribuir o favor, Simon e sua equipe, que parece estar sempre em qualquer hora e qualquer local de New Orleans, começa a transformar a vida do sujeito num inferno. Will, um simples professor, se vê obrigado a lidar com mortes misteriosas, traição e um intrigante jogo de gato e rato que põe em risco a sua vida e da sua esposa. E esse simples professor acaba se tornando num herói de ação, porque, claro, é o Nic Cage! Ele se mete em altas confusões para manter a pele intacta.

À medida em que o filme continua e o roteiro vai revelando várias surpresas absurdas, acumulando plot twist totalmente desnecessários, Cage vai ficando cada vez mais solto, com um desempenho que lhe é característico: caretas, gritaria, correria enlouquecido… Que é realmente a marca registrada do sujeito e que os fãs adoram. Guy Pearce é sempre bom de se ver e está muito bem como vilão. O filme conta com ainda no elenco com Harold Perrineau, Xander Berkeley, Iron E. Singleton (O T-Dog da série THE WALKING DEAD) e uma pequena participação de Jennifer Carpenter. Tobey Maguire, aquele ator que só é lembrado pelos filmes do Homem-Aranha do Sam Raimi, foi um dos produtores. E a direção é do veterano Roger Donaldson (O INFERNO DE DANTE e A EXPERIÊNCIA).

MV5BMTQ3ODE5MzA0Nl5BMl5BanBnXkFtZTcwOTYwMjY3Ng@@._V1_SY1000_CR0,0,1499,1000_AL_

Como eu disse, O PACTO é um exemplar bem besta como thriller, mas ao mesmo tempo não deixa de ser uma patetice agradável nível Supercine, para se ver naquele sábado à noite que você acabou não tendo nada melhor para fazer. Os fãs de Nic Cage obviamente vão ter um gostinho a mais. Quando o sujeito está realmente interessado no material, nem roteiro ruim deixa de ser divertido…

FIRST SNOW (2006)

first-snow.jpg

Se estão pensando que só vou falar de tralha velha por aqui estão enganados. FIRST SNOW é um exemplo disto. O roteirista de HOMEM DE FERRO e FILHOS DA ESPERANÇA, Mark Fergus, ataca na direção com este Neo-noir de 2006 que nem se atreveu a passar nos cinemas brasileiros, indo mofar direto nas prateleiras das locadoras sem muita publicidade. Injustamente, porque é um bom filme com o elenco encabeçado pelo britânico Guy Pearce e ótimos coadjuvantes, como J. K. Simmons (o J.J.Jameson de HOMEM-ARANHA) e William Fichtner, que teve uma pequena participação no novo Batman como o banqueiro que reage contra o assalto no início do filme.

Quando se fala em Neo-noir, já vem na mente aqueles filmes policiais que remetem ao gênero dos anos 40 e 50, e o pôster de First Snow acentua ainda mais essa noção. Mas o filme segue outro caminho. A história é um quebra-cabeça que vai se juntando aos poucos, formando um drama com elementos de thriller cujo protagonista, com passado ambíguo, revela-se um autentico personagem do noir.

Jimmy Starks (Pearce) é um homem de negócios que acaba à beira da estrada com o carro quebrado. Sem muita coisa pra fazer enquanto espera o conserto do carro, decide deixar que um médium (Simmons) leia sua mão. Descobre que seu fim pode estar mais próximo que espera. A partir daí, o roteiro passeia em questões como morte, paranoia e redenção.

FIRST SNOW possui um andamento lento e não traz nenhuma novidade. Mas a direção é correta, segura e Guy Pearce está inspirado, embora não seja um ator que atraia muito público, mas seu trabalho aqui merece o destaque que o filme, infelizmente, não teve.