IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO (1990)

pennywise

Assistir a IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO, a primeira adaptação do livro de Stephen King, lá nos anos 90 quando era moleque, foi uma experiência, digamos, interessante. Especialmente para a minha formação como admirador de filmes de horror.

Rever agora, depois dos 30, tendo uma consciência do que é realmente um bom filme do gênero para os “meus padrões”, tendo na bagagem John Carpenter, Dario Argento, Lucio Fulci, Tobe Hooper, David Cronenberg, Clive Barker e até o Tommy Lee Wallace (diretor deste aqui, e que fez o maravilhoso HALLOWEEN III), já não foi tão agradável assim… Se levar em consideração que na mesma semana conferi a nova adaptação, aí que a coisa fica mais feia ainda para o filme de 1990.

Confesso que nunca li It. Portanto, não farei aqui nenhum tipo de comparação com o material original. Algo que, na verdade, eu provavelmente não faria mesmo que tivesse lido… Mas é notório que se trata de um romance que é um calhamaço de mais de mil páginas e esta primeira adaptação deve ter tentado esgotar ao máximo o que havia no livro. Acabou virando uma mini-série de TV com três horas de duração. Depois foi lançado em vídeo, inclusive no Brasil, com uma duração menor, mas ainda um loooongo filme que, querendo ou não, marcou muito o período, principalmente no meio da molecada que assistia escondido dos pais para comentar com os colegas no recreio no dia seguinte.

vhs-it

A trama, para quem tiver curiosidade, se passa nos anos 60, com um grupo de sete adolescentes na cidade de Derry, no Maine. Uma série de desaparecimentos e assassinatos misteriosos assola o local, incluindo o garotinho Georgie, o irmão mais novo de Bill, quem podemos chamar de personagem central dessa história. Esses amigos têm uma ideia do que está acontecendo, pois todos tiveram visões estranhas e encontros assustadores com a figura de um palhaço bizarro que chamam de Pennywise (Tim Curry). O grupo decide fazer algo em relação a isso e se aventura nos subterrâneos para tentar destruí-lo.

Trinta anos depois, o grupo relutantemente retorna para Derry quando Mike, o único que continuou morando na cidade, os chama para lhes dizer que Pennywise está de volta e os assassinatos estão acontecendo de novo. Apesar dos seus medos individuais, os amigos decidem mais uma vez entrar nos esgotos para enfrentar o palhaço do mal, ou seja lá o que for, e acabar com o horror de uma vez por todas.

it-1

Tudo isso em três horas de filme, que se revelou nessa revisão um tédio. Precisei de três noites, assistindo uma hora em cada. Simplesmente não consegui embarcar mais nessa aventura como quando o fiz há vinte e poucos anos atrás… A narrativa até se esforça para manter um certo ritmo, com o enredo se entrelaçando com cenas dos personagens adultos e flashbacks com eles no verão de 1960. Que é onde se concentra as melhores partes de IT, conseguindo criar um clima de nostalgia representado nessas crianças desajustadas que acabam se tornando amigos para toda a vida e unem-se para lidar com o horror que as afeta. É cativante, de certo modo, e bastante identificável se você também foi um moleque desajustado de dez anos… Apesar de exemplos melhores tenham aos montes no período, como OS GOONIES, VIAGEM AO MUNDO DOS SONHOS, DEU A LOUCA NOS MONSTROS e até, por que não, CONTA COMIGO, também adaptado de King.

Picture_4

Com os personagens menores, Tim Curry, como Pennywise, é mais assustador e memorável. Já adultos, com a turma mais velha lidando com o retorno do horror, a coisa perde a graça. Há algumas cenas divertidas, como quando se encontram depois de tantos anos, mas a química entre eles logo evapora com os atores adultos. É tudo tão frouxo… Algumas das cenas de horror nesses momentos também não têm o mesmo efeito, muito burocrático, sem inspiração, sem clima, especialmente quando voltam a entrar nos subterrâneos para o confronto final, que convenhamos, beira o ridículo.

O que ainda salva é o maravilhoso desempenho de Tim Curry. Sempre que eu recordava do filme durante todos esses anos, obviamente a primeira coisa que vinha na mente é a imagem de Pennywise aprontando as suas. É até desapontante perceber nessa revisão que, na real, ele aprece tão pouco em três horas…

it-a-coisa-8

A verdade é que a cada ano que passa, esta versão de IT vai envelhecendo mal e ficando menos divertida. Revê-la agora gerou algumas pontas de decepção. Apesar disso, há uma parte de mim que sempre gostará de IT, da nostalgia e do que ele representa pra mim como obra de horror num momento mais puro e inocente da minha formação cinéfila. E parte disso tem a ver com Tim Curry, cuja performance como Pennywise é o que faz o filme. Dito isso, a nova versão que está nos cinemas é um daqueles raros casos de ser melhor que o original em todos os sentidos. Provavelmente amanhã devo postar alguma coisa sobre ele…

Mas e quanto a este aqui? Vocês ainda têm boas recordações? Já fizeram alguma revisão atualmente?

6 pensamentos sobre “IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO (1990)

  1. Olá! Obrigada por compartilhar este artigo. A verdade é muito interessante. Eu realmente gosto desta história ainda mais do que o filme de 2017, mas devo reconhecer que esse também foi bom. Acho que é uma boa idéia fazer este tipo de adaptações cinematográficas das boas histórias de Terror de novo. É um dos meus filmes de Stephen King preferidos por que além de ter uma produção excelente, tem uma boa história. Li que Andy Muschietti foi o responsável do filme e fiquei muito satisfeita com o seu trabalho, além de que o elenco foi de primeira. Já estou esperando a sequência, seguro será muito assustadora.

  2. There aгe, after all, some unfavoraƅle factoгs to freelancing.
    One necessary level is thаt in case you work as a contract ρaralegal you will not be eⅼigoble for thhe sorts of advantages
    that yoou would have in workіng for a legislation firm or a personal attorney.
    In case you reaⅼly feerl that such “perks” as basic medical
    health inxurance and other such benefits are
    important, freelancing wіll not ofer you these benefits.

  3. Pingback: IT (2017) | dementia¹³

  4. Fala Ronald! Eu vi esse e, ao contrário dos moleques, não tenho vontade de voltar a esse pesadelo depois de adulto. É isso aí mesmo que você falou: longo, arrastado e de dar sono na maior parte do tempo. Vale pelo eterno diabão chifrudão da Lenda, o “Ti Curra” que, fazendo jus ao nome, arregaça como Pennywise e continua mais memorável que o de 2017, que também tá excelente. Mas, agora, com o novo It, esse original deve acabar virando nota de rodapé e ser mencionado majoritariamente no embalo do outro. Mas, a meu ver, as versões pra tv do Stephen King, sofrem desse mal, mesmo as melhores como A Tempestade do Século e Rose Rede. Exceto Salem’s Lot. Aquela flui muito bem.

    • Confesso que nunca fui muito aficionado nesses telefilmes baseado no King e nenhum desses que vc citou eu vi… haha! Mas a impressão é essa mesma e daí vem a minha preguiça. Nem mesmo o Hooper eu conferi ainda, mas esse tá no radar e vou assistir em algum momento.

      E olha, que me perdoe o “Ti Curra” (hehe), gostei mais do novo Pennywise… O cara tá impressionante. se não estiver melhor, ao menos no mesmo nível. E é legal só o fato dos caras terem a sensibilidade de reconstruir uma figura com tanto cuidado, com respeito ao original, mas com personalidade própria. E que personalidade! Não tem um traço genérico sobrando aqui… Foda!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.